Desenvolvimento low-code: o que é e como funciona este modelo?

compartilhe esse post

Desenvolvimento low code, assim como fazer site, são alguns dos assuntos que fazem parte do universo online. 

Desde o início da era da informática, começando com os gigantes movidos a válvulas que surgiram na década de 1940, o desenvolvimento de software de computador exigiu em grande parte a capacidade de compreender matemática, lógica digital e uma ou mais linguagens de programação para realizar o trabalho

E, quanto mais profundamente uma pessoa entende esses conceitos, mais fácil será para ela produzir software de computador de qualidade, enquanto um conhecimento limitado tornaria a mesma tarefa difícil ou impossível

Hoje, porém, as coisas mudaram muito. As interfaces gráficas de usuário, máquinas mais poderosas e softwares de suporte permitiram que o esforço de desenvolvimento de low code (baixo código) ganhasse impulso. 

Isso permite que as pessoas projetem sites, aplicativos e até sistemas inteiros com pouco conhecimento de ciência da computação ou conceitos de engenharia de software.

Mas o que exatamente é desenvolvimento low code? E como ele funciona? 

Se você quer saber mais sobre este tipo de modelo de desenvolvimento, continue a leitura! 

 

O que é desenvolvimento low code

desenvolvimento low code

Uma plataforma de desenvolvimento low code (LCDP) é um software que fornece um ambiente que os programadores usam para criar software de aplicativo por meio de interfaces gráficas de usuário e configuração em vez da programação de computador tradicional.

Low code é uma família de ferramentas que ajuda a criar aplicativos completos visualmente usando uma interface de arrastar e soltar. 

Em vez de escrever milhares de linhas de código e sintaxe complexos, as plataformas de baixo código permitem que os usuários criem aplicativos completos com interfaces de usuário, integrações, dados e lógica modernos de forma rápida e visual.

Alguns fatores que compõem o low code são: 

  • Um IDE visual: um ambiente para definir visualmente as interfaces de usuário, fluxos de trabalho e modelos de dados de seu aplicativo e, quando necessário, adicionar código escrito à mão. 
  • Conectores para vários back-ends ou serviços: gerencia automaticamente estruturas de dados, armazenamento e recuperação. 
  • Gerenciador de ciclo de vida do aplicativo: ferramentas automatizadas para construir, depurar, implantar e manter o aplicativo em teste, preparação e produção.

Além desses princípios básicos, não existem duas ferramentas de low code exatamente iguais . Alguns são bastante limitados e mais semelhantes a um front-end de banco de dados visual, como o FoxPro nos anos 90.

Alguns se concentram nas necessidades de negócios de nicho, como gerenciamento de casos. Outros adotaram o termo de baixo código para descrever uma ferramenta criada com um propósito que tem pouco a ver com o desenvolvimento real do aplicativo.

E ainda há ferramentas sem código na mistura, que atendem mais a usuários de negócios e desenvolvedores cidadãos.

Outros, como OutSystems, fornecem tudo que você precisa para criar aplicativos móveis e web corporativos modernos e multiplataforma com recursos que complementam as estruturas de equipe existentes.

Como funciona o desenvolvimento low code?

As plataformas de desenvolvimento low code fornecem ferramentas gráficas para projetar um aplicativo ou sistema, junto com suas entradas, saídas, lógica de negócios e outros aspectos necessários. 

Dependendo dos recursos da plataforma que está sendo usada e dos requisitos gerais do sistema, o desenvolvedor pode ou não ter que aumentar o design com algum código antigo e bom, ou a plataforma pode produzir uma solução de trabalho inteira sem nenhum código adicional necessário.

Esse processo pode variar muito entre plataformas de baixo código, uma das quais examinaremos em um momento, e são tão variados quanto as equipes de pessoas que os criam e as necessidades de negócios para as quais cada plataforma foi projetada. 

No entanto, os conceitos gerais permanecem os mesmos e o processo geralmente envolve o mapeamento de designs de interface de usuário, bancos de dados, APIs e comportamento do aplicativo cliente, para produzir uma especificação que a plataforma usará para montar um sistema funcional.

Do ponto de vista de um computador, tudo é zero ou um, então não faz diferença se binários compilados, designs UX, bancos de dados ou qualquer outra coisa vem de uma especificação gráfica ou de uma codificação manual. No entanto, existem vantagens e desvantagens em cada método.

 

Benefícios do low code

desenvolvimento low code

A escolha de construir aplicativos com plataformas de low code pode fornecer a uma organização os meios para produzir software complexo e eficaz em tempo rápido, sem ter que manter uma equipe completa de engenheiros de software, que muitas vezes são caros e difíceis de contratar e reter (e por um bom motivo).

Usando uma plataforma de baixo código, um arquiteto de software com alguma habilidade de codificação, por exemplo, poderia sozinho projetar e construir um aplicativo de negócios complexo para sua empresa. 

Isso por uma fração do custo de contratar desenvolvedores caros ou uma empresa externa para lidar com o responsabilidades de design e desenvolvimento.

Da mesma forma, um empresário com conhecimentos médios de informática pode experimentar novas ideias e até mesmo construir e lançar um produto completo com todos os recursos e funcionalidades desejados. 

Essa é uma grande vantagem para quem está interessado no desenvolvimento de aplicativos, mas não tem o tempo enorme necessário para aprender engenharia de software em um grau alto o suficiente para produzir um produto competitivo e confiável.

 

Algumas preocupações 

Uma preocupação é que alguém que projeta um aplicativo sem um conhecimento sólido de engenharia de software pode não ter a experiência necessária para tomar decisões acertadas sobre como qualquer sistema de computador deve funcionar. 

Um ambiente gráfico de low code impedirá que alguém cometa erros de sintaxe puramente relacionados ao código (uma vez que não há sintaxe), mas em geral não faz distinção entre o que é uma boa ou má ideia.

Além disso, os ambientes de baixo código não terão a mesma intuição ou compreensão de contexto que um programador experiente teria, portanto, existe o risco sempre presente de que um aplicativo de baixo código possa. 

Por exemplo, não suportar algum requisito que não foi previsto pelo designer, como recuperar, calcular e armazenar alguns dados históricos baseados em eventos críticos que são perdidos para sempre se não forem capturados no momento.

Embora tal cenário realmente coloque a responsabilidade na equipe de negócios de definir o escopo adequado dos requisitos, é um fato bem conhecido entre os principais engenheiros de software que erros na definição do escopo acontecem o tempo todo.

Porém, eles são frequentemente corrigidos por programadores dinâmicos durante o desenvolvimento e ciclos de manutenção, nos quais o programador tem uma imagem clara de como as especificações atendem à realidade. 

Um desenvolvedor de um aplicativo de baixo código não pode se dar ao luxo de ter profissionais experientes por perto (humanos reais, não IA) que podem detectar esses erros sutis, mas muitas vezes devastadores.

 

Plataforma de exemplo

Para ter uma ideia melhor de como o desenvolvimento low code, vamos falar sobre o Microsoft PowerApps, que é uma plataforma projetada para especificar e implantar aplicativos de negócios rapidamente.

O Microsoft PowerApps oferece dois métodos para desenvolver aplicativos de baixo código:

desenvolvimento low code

Canvas Apps

O desenvolvedor começa projetando a experiência do usuário do aplicativo e segue em direção à lógica e aos dados.

 

Aplicativos orientados a modelos

O desenvolvedor começa com dados brutos e modelos de comportamento do aplicativo (como UX) em torno deles

Esses dois métodos se assemelham vagamente a conceitos familiares no mundo do desenvolvimento tradicional: design de cima para baixo versus design de baixo para cima.

Ao adotar a abordagem Canvas, um desenvolvedor está projetando o sistema de cima para baixo, com foco em interfaces e interações, requisitos de sistema e comportamento geral do aplicativo, trabalhando nos detalhes conforme necessário.

Em contraste, a abordagem do Modelo de Dados começa com os dados, como seria de esperar. Um desenvolvedor começa com alguma quantidade de dados importantes (por exemplo, informações que uma empresa coletou durante anos com a intenção de, eventualmente, construir um produto ou serviço sobre eles). 

Em seguida, trabalha seu caminho a partir dos dados e requisitos de lógica de negócios de nível inferior, produzindo funcionalidade de nível superior (como UX) conforme necessário.

O Microsoft PowerApps é um bom exemplo de plataforma de baixo código que permite conectividade com armazenamentos de dados internos e externos (como o SQL Server) e facilita o design da lógica de negócios e UX que permite aos usuários interagir com o sistema e dados subjacentes.

 

Mais algumas informações

O termo “desenvolvimento low code” existe há apenas alguns anos e há infinitas maneiras de projetar essa plataforma, portanto, esse campo provavelmente mudará drasticamente nos próximos anos. 

Diferentes tipos de aplicativos têm diferentes requisitos, o que significa que um adequado para o desenvolvimento de jogos seria quase inútil para o desenvolvimento de aplicativos corporativos e vice-versa.

Aqui estão alguns links para algumas das plataformas disponíveis hoje:

Conclusão

O desenvolvimento low code é uma opção empolgante para programadores e não programadores projetar e construir todos os tipos de software, desde aplicativos utilitários simples e úteis até sistemas completos de gerenciamento de recursos empresariais e tudo mais. 

Ao construir aplicativos low code, deve-se tomar cuidado especial para garantir que o design atenda aos requisitos, já que não há uma equipe atrás da cortina para detectar e corrigir erros comuns que costumam ser cometidos no design de software em geral. 

Dito isso, quando usado corretamente, o low code é uma excelente escolha para quem requer software customizado, mas não tem a habilidade (ou orçamento) para construir um aplicativo tradicional.

Esperamos que tenha gostado do conteúdo e que, a partir de agora, esteja mais claro para você o que é desenvolvimento low code e como usá-lo. 

 

Quer receber um orçamento para criação de um site profissional?

compartilhe esse post